segunda-feira, 11 de janeiro de 2010

COISAS DE UM POETA

Curioso é ser chamado de poeta
Aquele ser que não se cansa
Aquele ser que é uma festa.

Curioso é ser chamado de louco
Que por amor se mata
E na vida tudo ama um pouco.

Curioso é ser chamado de criador
Aquele que cria seu universo
E soluciona sua própria dor.

IMENSA SOLIDÃO


Meu amor,o qual não vejo,
Agora estou tão só.
Aqui olho para o luar
Perdendo todo o meu desejo.

Nas noites tão só
Fico na janela vendo a noite passar
Fico olhando com inveja
O namoro do luar com o mar.

Olho as estrelas namorando
E uma árvore triste a balançar
Sinto então, esse vago
Que a amada há de ocupar.

AMIGO


És um ego de mim
Uma parceria bem feita
Sabes dizer não,dizer sim
És a metade perfeita

Nos momentos de tristezas
Traz-me alegrias,
Tu me dá certezas
Em momentos de agonias.

És tu que aqui no peito
Tem lugar garantido,
És tu que me dá o direito
De dizer que és meu grande amigo.

DEVANEIOS MAIS QUE PERFEITOS


Na tarde pálida de primavera
No bosque,contigo andei.
Na sombra perfeita da noite
Um prazeroso beijo úmido te dei.

Longe de ti passo as noites
Bem perto passo os dias.
Transbordo-me de amor
Com desejos e fantasias.

Tenho-te no coração
Guardada dentro do peito
Você afoga o meu pensar
Com devaneios mais que perfeitos.

O POETA NÃO MORREU

O poeta nasceu,cresceu,viveu...
Mais não morreu.
Pois o poeta é a esperança
Ele não morre apenas descansa.

Viaja para o mundo
Que ele próprio o criou
Para suas fantasias
Que o destino traçou.

O poeta vive para o eterno
Passa para o sossego
A conhecer o tudo,
Mais não conhece o inferno.

O SIMBOLO DA MINHA POESIA


Rosa,a esperteza do amor
A lua para o escuro
A suavidade para a dor.

Rosa,a beleza do dia
O enorme pequeno
A calma da agonia.

Rosa,o possível do impossível
O fogo na água
O visível do invisível.

Rosa,que traz a minha alegria
És o principio da paixão,
És o símbolo da minha poesia.