domingo, 13 de julho de 2008

POESIA MORADA

Com o fruto do sentimento
Com o amor de todo dia
Bati o primeiro traço de cimento
Para a minha poesia

Agindo com a caneta
Não contratei funcionários
Eu mesmo fui o pedreiro.

Após a construção
Foi o momento de pintar.
Pintei com as cores do coração.

Toda já acabada
As mudanças,já a começar.
Em fim cheguei a minha morada
Aonde sempre irei morar.
(Marcos Vieira)

Nenhum comentário: