quarta-feira, 14 de maio de 2008

A amizade

A amizade torna os fardos mais leves


porque os divide pelo meio.


A amizade intensifica as alegrias,


elevando ao quadrado, na matemática do coração.


A amizade esvazia o sofrimento


porque a simples lembrança do amigo


acalma com jeito de talco na ferida.


A amizade ameniza as tarefas difíceis


porque a gente não as realiza sozinho:


são dois cérebros pensando e quatro braços agindo.


A amizade diminui distâncias.


Embora longe, o amigo é alguém perto de nós.


A amizade enseja confidências redentoras;


problema partilhado, percalço amaciado,


felicidade repartida, ventura acrescida.


A amizade coloca música e


poesia na banalidade do cotidiano.


A amizade é a doce canção da vida


e a poesia da eternidade.


O amigo é a outra metade da gente; o lado claro e melhor.


Sempre que encontramos um amigo,


encontramos um pouco mais de nós mesmos.


O amigo revê, desvenda, conforta


É uma porta sempre aberta em qualquer situação.


O amigo, na hora certa, é sol ao meio-dia,


estrela na escuridão.


O amigo é bússola e rota no oceano,


porto seguro na tribulação.


O amigo é o milagre do calor humano


que Deus opera num coração.




(Autor desconhecido)